quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Tá faltando fio de bigode


Qual o valor de suas palavras? De que forma elas se materializam, ou não? Qual o peso que você dá a suas promessas? Elas se transformam em realidade, ou ficam apenas no “vou fazer”? Essas e outras perguntas são sempre muito importantes de serem feitas todos os dias para nos lembrar: de que forma projetamos a pessoa que somos ao mundo? De que maneira buscamos melhorar a realidade que nos cerca cumprindo com o que nos propusemos a fazer?

Isso porque, nesses tempos novamente sombrios que vivemos, tem-se a sensação de que existe um enfraquecimento do poder da palavra:  as promessas parecem não valer. E o que isso implica? Em uma sensação de que é difícil confiar no outro.

A vida me ensinou que é preferível receber um sonoro não a ouvir promessas vazias. E também é necessário dizer um não, quando realmente não existe possibilidade de se cumprir algo. Não precisamos de encantadores, que tudo prometem e nada cumprem. O que precisamos é novamente honrar o “fio do bigode”, ou seja, uma expressão surgida há muito tempo que consistia em honrar a palavra dada com um fio do próprio bigode. Assim, o que se dizia, valia muito mais do que qualquer contrato escrito. Está faltando isso.

Confiança é algo difícil de se criar. Mas muito fácil de se esfacelar. Pessoas que tudo prometem, que manipulam o outro, que brincam com as palavras para conseguir algo e, depois de tudo isso, nada cumprem, estão apenas mostrando a verdadeira face oculta: são aproveitadores. E hora ou outra a verdade sempre bate à porta. A pergunta que deixo no ar: quem perde com isso?

Nesse mundo cada vez mais tomado por pensamentos nebulosos e que beiram o doentio, nada mais sensato do que honrar as palavras. Afinal, como tentar mudar nossa realidade se nem as promessas cumprimos? É algo a se pensar.


Juliano Schiavo é jornalista, escritor e biólogo
Americana - SP



Nenhum comentário:

Postar um comentário