sábado, 8 de julho de 2017

Odiar é fácil



Odiar é fácil. Trata-se de um sentimento que parece estar no âmago humano, tamanha facilidade de surgir. Odeia-se o que que não se compreende, o diferente, aquilo que não agrada. Este sentimento parece caminhar conosco. Talvez isso explique o motivo do mundo ser como é. O ódio é gratuito: é uma violência direcionada àquilo que não nos convém.

O discurso de ódio cativa, pois ele cria inimigos a serem combatidos. Ele edifica um sistema maniqueísta e de fácil entendimento, pois ele divide tudo em apenas duas opções: bem ou mal. O ódio reduz tudo a opções fáceis de serem entendidas, assimiladas e possibilita escolhas rápidas: está comigo, ou não está; sim ou não; azul ou vermelho. O ódio é, por natureza, reducionista. E por ter uma natureza tão pequena, faz com que quem o cultive se torne parte do que ele é. Somos aquilo que fazemos e sentimos. Portanto, sentir ódio nos torna odiosos.

Amar, pelo contrário, é o sentimento mais difícil de gestar. Amar implica em ser tolerante. Em entender que o mundo não se divide apenas em bem e mal. O mundo é uma soma: nem tudo que é mal, é mal em tudo. O amor permite ver gradações nas cores. Ele permite o talvez. Amar permite entender que todos nós somos limitados, diferentes e com formas únicas de ser. Amar permite o respeito e o afeto. Amar é difícil, pois nos força a pensar e a se colocar no lugar do outro. Amar é um esforço de ter empatia.

Por isso, quando me perguntam qual o meu palpite para os rumos de nossa sociedade – e observando a facilidade com que o discurso de ódio se alastra – eu me assusto. Me amedronto com a facilidade com que as ideias intolerantes são abraçadas. Torço, ainda, para que as pessoas se permitam ir além do ódio e tentem se colocar no lugar do outro, pois falta empatia. Será que o ódio vencerá?

Juliano Schiavo é jornalista, escritor e biólogo

Americana - SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário