quinta-feira, 5 de maio de 2016

Algumas palavras sobre simplicidade


Quando você acorda, você não sabe como será seu dia. Talvez tenha indícios, mas não certezas. Tem apontamentos, mas não passos fixos aos chão. A vida é mutável. É um fluxo natural de incertezas se traduzindo em caminhos que podemos seguir – ou não. Embora haja tantas incertezas, muitas vezes obscurecidas pelo medo – que é paralisante por impedir que arrisquemos outros caminhos não conhecidos – podemos nos esforçar para, ao menos, fazer algo melhor que ontem.

Se o passado é um caminho que ficou para trás, com suas paisagens pintadas por nossos sentimentos, o futuro é um vislumbre que, muitas vezes, encanta. Outros momentos, assusta.  O passado pode direcionar os passos. O futuro, espera pelos passos. O momento de mudar? Todos sabem a resposta: é o presente.

E o que temos feito para transformar nosso presente num verdadeiro presente, daqueles que, ao abrirmos os laços, ficamos vislumbrados? De que forma estamos dando o nosso melhor para transformar o mundo num lugar um pouco menos opressivo? Essas questões só podem ser respondidas com as ações feitas no agora. E elas não precisam ser mirabolantes, nem extraordinárias. Mudanças podem ser feitas pela simplicidade.

E simplicidade se resume a oferecer um sorriso. A dar um abraço. A estender a mão a quem precisa. É oferecer o que se pode oferecer, de coração. É dialogar e não entrar em embates. É entender que, em tempos de ódio, nada melhor do que se disciplinar para aprender a respeitar e entender que todos somos diferentes – mas somos da mesma espécie.

Simplicidade é compreender que a vida é muito mais do que posses materiais. Ela é feita de momentos. Alguns dolorosos, que ensinam. Outros, fabulosos, que encantam. Simplicidade é escolher fazer parte de algo maior, feito de pequenas atitudes: é ser empático e se colocar no lugar do outro. É colocar como meta o ajudar, ao invés de atrapalhar. É simplesmente tentar fazer o melhor para melhorar o mundo. E a reflexão que fica: o que temos feito para isso?

Juliano Schiavo
Jornalista, biólogo e escritor

Um comentário: