quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Lolita

Deixei de lado Ulisses, do James Joyce. Peguei Lolita, de Vladimir Nabokov. Boa troca. Ulisses me entendiou nas primeiras 20 páginas (de 700). Muito complexo. Falta-me ainda um subsídio literário para tentar entender o que ele pretente (ou não) passar com aquele livro.

Lolita é mais leve e, nem por isso, deixa de ser perturbador. Comecei a lê-lo ontem. A princípio trata-se do desenrolar da história de um homem com desvios comportamentais, de ordem sexual. Ele fareja, tal qual cão perdigueiro, sua angelicais vítimas: meninas de 9 a 14 anos, suas "ninfetas" É perturbardor. É uma mente doentia.

Em breve, assim que ler o livro, faço uma resenha.

Um comentário:

  1. neste semestre lerei Ulisses em uma disciplina... quanto ao Lolita, certa vez iniciei a leitura, e gostei bastante, mas acabei largando o livro por algum motivo...

    ResponderExcluir